Poesía

Assim mesmo, com acento. Sou uma apaixonada pela literatura latino americana. Tudo começou com Érico Veríssimo e O Continente, aí imendei na literatura fantástica de Gabriel García Marquez, devorando 4 obras-primas do autor em pouco mais de 3 meses, depois disso se seguiram Neruda, Sábato e tantos outros que embalaram viagens, passeios, esperas e pré-sonhos.

Há algumas semanas recebi esse vídeo lindo, ele faz parte de um programa da Tv Cultura sobre escritores. Inspiração pura.

“Somos um mar de foguinhos.
O mundo é isso: um monte de gente. um mar de foguinhos.
Não existem dois fogos iguais.
Cada pessoa brilha, com luz própria entre todas as demais.
Existem fogos grandes e fogos pequenos. Fogos de todas as cores.
Existe gente de fogo sereno, que não se abala com o vento.
E há pessoas de fogo louco, que enchem o ar de faíscas.
Alguns fogos, fogos bobos, não iluminam nem queimam
Mas outros, outros ardem na vida com tanta vontade que não se pode olhá-los sem pestanejar, e quem se aproxima, se incendeia.” Eduardo Galeano

Já esse segundo é obra do talentoso Ian Ruschell. Diretor da Zeppelin filmes, o gaúcho embarcou em uma viagem cheia de sensibilidade sobre o universo de Borges, em ruas, luzes e sons de Buenos Aires.

Buenos Aires: Las Calles de Borges from Ian Ruschel on Vimeo.

“Os poetas, como os cegos, podem ver no escuro”, Jorge Luis Borges

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s